Governo do Ceará entrega certificados a empresas que mais incluíram pessoas com deficiência
22/09/2021
Foto: Carlos Gibaja 
 

Nessa terça-feira (21), dia em que se comemora o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, o Governo do Ceará por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet) e o Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT) entregou o certificado Empresa Completa, Empresa que Inclui para empreendimentos das áreas da indústria, comércio e serviço. A premiação teve por objetivo reconhecer as empresas que mais inseriram pessoas com deficiência, através da rede de atendimento do IDT/SINE, em 2020, e, com isso, disseminar a importância da inclusão do segmento no âmbito do trabalho, refletindo sobre essa temática e buscando novos caminhos para enfrentar os desafios. O evento foi realizado no Palácio da Abolição e transmitido pelas redes sociais.

Para o governador Camilo Santana, o certificado “premia empresas que fazem inclusão social no estado num momento muito especial. O governo não tem medido esforços para construir políticas e ações para apoiar, estimular e incentivar as nossas empresas. Hoje eu agradeço o compromisso social desses empreendedores com a população e com as pessoas do Estado do Ceará”.

Nesse ano, foram certificadas pela sua atuação, em 2020, as empresas: Coopershoes Calçados, Bom Vizinho Distribuidora de Alimentos, Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), Centro Universitário Inta Uninta, Delfa, Robinson Crusoé, Centro Universitário Christus (Unichistus), Extra Mister Hull, Vulcabrás, Auto Peças Padre Cícero Super Lagoa, Beach Park Hotéis e Turismo e Irmandade Beneficente da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza.

“Além de uma data para se enaltecer o direito da pessoa com deficiência, é um dia que a gente tem que celebrar porque o Ceará está dando rápidos avanços na redução das suas desigualdades. E reduzir essas desigualdades é incluir essas pessoas e não discriminá-las”, destacou Maia Junior, secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho.

O presidente do IDT, Vladyson Viana, ressaltou que “nesses 30 anos da Lei de Cotas nós temos muito a celebrar. Desde 2015, já somamos mais de 11 mil trabalhadores com deficiência, incluídos no mercado de trabalho formal, resultado de uma cooperação entre setor público, privado e o judiciário. E essa homenagem tem o objetivo de ir além da Lei de Cotas e demonstrar que esse trabalhador com deficiência tem capacidade produtiva, laboral e compromisso com as metas das empresas. Eles constroem a economia cearense”.

Destaque entre os empreendimentos que mais contrataram pessoas com deficiência em 2020 por meio da intermediação do IDT/SINE, a Cooperativa de Calçados Coopershoes mantém uma política ativa de inclusão, com o engajamento dos demais funcionários. Segundo Ângela Drebes, gerente administrativa da empresa, atender a cota de pessoas com deficiência tem sido um desafio desde o início das atividades. “Todo ano realizamos uma Semana Interna de Inclusão, momento em que são veiculadas informações sobre deficiência e inclusão. Há todo um trabalho das equipes de recursos humanos e SESMT, para identificação, seleção, verificação de laudos e exames, bem como ajustes nos locais de trabalho para atender as pessoas com deficiência. O trabalho de inclusão é contínuo e exige muitas parcerias. Gratidão pela oportunidade. Aprendizado é o que nos define atualmente”, destaca Drebes.

Atuando no setor de distribuição de utilidades da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), Paulo Lira é um dos trabalhadores incluídos pela lei de cotas na empresa. Para ele é muito importante poder exercer o seu potencial, superando desafios e exercendo o seu trabalho. “Eu me sinto feliz por estar em uma das maiores empresas do Ceará e em poder contribuir para o desenvolvimento do estado. Aqui eu me sinto acolhido e vejo o que é feito pela inclusão de pessoas com deficiência. Espero que seja exemplo para as outras empresas”, relata.

 

30 anos de atuação na área
Pioneiros na luta pela inclusão social no mercado de trabalho, o Atendimento Especializado à Pessoa com Deficiência do SINE/IDT surge em 1991 com a proposta de ser uma ponte entre as empresas e os profissionais com deficiência e seu trabalho principal é sensibilizar para que o empresariado abrace a responsabilidade social, derrubando as barreiras do preconceito.

De março de 1991 até agosto de 2021, foram 31.688 trabalhadores com deficiência incluídos no mercado de trabalho pelo IDT/SINE.
Neste ano, o reconhecimento às empresas que mais incluem acontece num mesmo momento em que a atuação do IDT/SINE na área e a Lei nº 8.213 (Lei de cotas) completam três décadas de contribuição contra a desigualdade e pela construção de uma sociedade mais inclusiva e igualitária.